elliana-esquivel-diario-
Textos

Tá tudo bem

A vida inteira, nos dizem o que devemos fazer, como devemos pensar e agir. Desde pequenos, até mais velhos. Um ciclo sem fim. Sempre terão o que opinar. Aos dezessete, você já terá que saber o que irá querer ser pelo resto da vida. Aos vinte, vão te pressionar para estar num relacionamento. Aos vinte e cinco, quantos filhos terá? “Já pode estar tarde”, “ficará tarde”. Nunca estarão satisfeitos. Estar aqui, esteja onde você estiver, nunca é tarde para ser quem você é. Aos 45, pode ser a maior descoberta da sua vida. Talvez nós só queremos viver aos poucos, todos os dias, sentindo o vento bater na nuca, conhecendo novos lugares, pessoas e momentos. Mal sabem o quão errado é, querer tomar decisão pelos outros. E ei, tá tudo bem ir devagar. Não saber o caminho de volta, errar, tropeçar e principalmente, mudar de ideia.

Nós mudamos todos os dias. A forma de ver o mundo, como nos vemos por dentro. O que falta nas pessoas, é se permitir mais. Deixar que as coisas aconteçam, sem ter que programar a nossa vida inteira quando a gente nem sabe ainda o que quer dela. O que espera dela, o que esperar de nós mesmos tão antes de ter consciência e sem nunca ter vivido, afinal. O que você já viveu? E os arranhões? E as conquistas? O que você tem pra contar, além de entrarmos no papo de quantas faculdades e estágios você já fez? Quantas vezes você já jogou os problemas pro alto e andou sem rumo pela cidade? Quantas vezes você saiu da cidade sem rumo? Quantas vezes você se molhou na chuva e não se preocupou em abrir o guarda-chuva? Quantas vezes você fez amizade com alguém que nunca mais verá na vida, mas que nunca esquecerá as conversas reflexivas? Quantas vezes você fez o que realmente te deu vontade?

Sempre haverá alguém pra dizer o que é certo ou errado, se tá cedo ou tarde. Nunca serão você, nunca o verão por dentro ou saberão quem você é por inteiro. Você sabe. E a gente precisa se conhecer nos dias escuros e nos claros. Tá tudo bem não ter todas as formações do mundo. Tá tudo bem não ir pra todos os rolês dos finais de semana só porque os outros sempre estarão lá. Tá tudo bem não fazer nada e tá tudo bem fazer tudo. Ei, tá tudo bem ser o que o seu coração quer ser. Mas seja. Ninguém é você, além de você.

{infos} Ilustrações by: Elliana Esquive

Ingrid Brandão

Sereia. Cigana. 24, do Ceará, de SP e do mundo. Bagageira de emoções. Um desastre. Amante de musica boa, filme chororô e lugares desconhecidos. Amante do amor. Todo tipo de amor. Vamos nos amar.

Um comentário em “Tá tudo bem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *