post

Oláris! Vos trago aqui os meus cantos virtuais. Sites que pra mim, têm um valor simbólico e sentimental. Muitos, alguns conhecem, outros ainda são meio raros. São relacionados a música, filmes, textinhos mimimis, decoração e redes sociais interessantes. Farei uma explicação rápida de cada um e direi como os uso no dia a dia. Espero que também seja proveitoso para vocês, de alguma forma.

ello
Ello

Ello é uma rede social lindinha criada pra ser simples e inspirar. Lá você pode seguir pessoas e favoritar as que mais gosta, como no twitter. Pra quem gosta de design, fotografia e arte no geral, lá é o lugar pra encontrar muita gente talentosa e muitos posts inspiradores. Vários artistas usam essa rede social para divulgarem seus trabalhos. Como diz o slogan: discover inspiring people and beautiful things you won’t find anywhere else. Então venham me amar no Ello e vamos encher aquele lugarzinho de amor. Meu perfil <3

 

filmow
Filmow

Um dos meus amores mais antigos e verdadeiros, haha. Uma rede social sobre umas das melhores coisas da vida: filmes e séries. Não lembro exatamente como eu a encontrei, mas desde então, é onde guardo tudo que assisto. Lá você pode marcar todos os filmes e séries que você já assistiu, favoritar, debater, avaliar, criar listas temáticas e, claro, conhecer gente nova. Cada filme/série/documentário, tem sua própria página onde você pode encontrar fotos, trailers, sinopses, notas e a opinião de outras pessoas. Eu particularmente acho muito útil para descobrir filmes novos e para saber se aquele filme do Netflix vale a pena. Se quiserem conhecer mais sobre mim e meus filmes favoritos é só dar uma passadinha lá no meu perfil.

 

bauthentique
B-authentique
Esse é um achado muito precioso e que creio não ser mais segredo pra ninguém. B-authentique é uma revista online sobre fotografia feminina com trabalhos de fotógrafos e modelos do mundo inteiro, inclusive de brasileiros, que têm aparecido cada vez mais por lá. Além das fotos, a revista também contém entrevistas bem interessantes. Cheia de ótimas referências para quem fotografa, é incrível ver o toque e estilo de cada fotógrafo, cada lugar e cada modelo. Existem fotos de todos os tipos categorias: nude, bed, old school, tattoo e etc. Eu, que amo demais fotografia feminina, passo horas e horas babando e desejando um dia chegar perto de fotografar nesse nível. Então se você fotografa também, que tal mandar suas fotos, hein? Tô me preparando e me organizando para, um dia, mandar as minhas hahaha.

 

8tracks
8tracks
Uma das coisas mais sensacionais que já fizeram! Se eu pudesse ter criado um site de utilidade pública, seria SEM DÚVIDAS, o 8tracks. A solução para todos os problemas da vida: música. Quando você está triste, feliz, cansado, estressado, querendo viajar, apaixonado, seja o que for, lá sempre tem uma playlist pra você. É só digitar na busca como você está se sentindo e aparecerão infinitas playlists felizes, tristinhas e etc para melhorar o seu dia ou para você ficar remoendo esse mimimi (eu amo hahaha). Você também pode criar sua própria playlist, favoritar e seguir outras pessoas e suas playlists para ouvir quantas vezes quiser. Ainda é uma ótima fonte para descobrir música boa e desconhecida. Lá que eu conheci algumas das minhas bandas favoritas e que hospedo as playlists aqui do blog. Melhor coisa, sim ou claro? 8tracks detalhesedefeitos

 

tumblr
Tumblr

Meu lugar preferido no mundo. Onde morei por anos e anos e onde conto minha história interior mais do que em qualquer outro lugar. O tumblr todo mundo já conhece, né? Mas não podia não falar dele já que trás tanto de mim. Mas pra quem não conhece, é uma rede social estilo blog que você também pode seguir pessoas e ver suas postagens. Tem muita foto linda, textos lindos e pessoas cheias de amor. Tenho o meu desde 2010 e é amor eterno! Armazeno algumas fotografias que gosto muito e também textos meus bem chorosos, da época que eu era a melancolia em pessoa haha. Mas não tenho vergonha, faz parte de quem sou. Então quem quiser dar uma espiadinha no meu <3

 

airbnb
Airbnb

O ultimo mas não menos importante. Também bem conhecido, o Airbnb já me proporcionou momentos lindos. É um site de aluguel de casas no mundo inteiro. Lá tem lugares incríveis e totalmente diferentes de hotéis, desde casas que foram cenários de filmes e séries, até casas mais baratas, mas que ainda têm seu charme, e mansões maravilhosas. O que o seu bolso preferir. Além de tudo isso, sou apaixonada pelo design do site e também pelas casas em si. Amo escolher um lugar qualquer do mundo e ficar vendo as casas e suas decorações. Ver como tem tanta coisa linda e bem feita, tanto lugar mágico e diferente. Quando fui pra Buenos Aires, fiquei num loft que era a coisa mais linda do mundo, era exatamente como nas fotos. Eu e meu namorado passamos uma semana e valeu a pena demais, mais que recomendado. Então pra mim, o site tem duas utilidades: usar como inspiração pra decoração da minha casinha ou se hospedar em algum lugar fantástico do mundo.

Enfim é isso. Mostrei meu mundinho pra vocês e adoraria muito conhecer o que vocês amam. Amo sites desconhecidos e interessantes. Vamos trocar figurinhas?

Ingrid Brandão

Sereia. Cigana. 24, do Ceará, de SP e do mundo. Bagageira de emoções. Um desastre. Amante de musica boa, filme chororô e lugares desconhecidos. Amante do amor. Todo tipo de amor. Vamos nos amar.

lond
Viagem Textos

Chá das cinco?

Aí, aos 16 anos, eu decidi que viajaria sozinha. Se eu esperasse por todas as outras pessoas, eu ficaria pra sempre no quadradinho no meio do Brasil. E eu conseguiria, certo? Eu já tinha lido sei lá quantos livros e blogs que falavam sobre como a mulher pode ser independente e o quanto isso é legal. Mas a verdade é que, não viajar. Viajar sozinha, tá louca? Vão te sequestrar. Você não viu a novela?

Bom, eu vi. E não tive medo, porque honestamente, se eu fosse deixar de fazer as coisas por estar sozinha, eu não faria quase nada. Eu tinha o apoio dos meus pais e meu irmão. Ok. Eu conseguiria. Fecha os olhos, aponta pra um lugar no mapa e é pra lá que você vai. (Essa parte é poética. Eu já sabia pra onde iria desde a primeira vez em que coloquei os olhos na cidade do chá das 5).

Quando me perguntam sobre essa experiência, eu só consigo descrever como a  melhor coisa e a mais aterrorizante que eu já fiz na vida. Viajar sozinha é maravilhoso. Sem compromissos, sem horários com ninguém. Eu visitei os lugares que eu queria. Passei três horas e meia dentro da Tower of London imaginando quais histórias tinham ocorrido em qual cantinho, e eu imagino que ninguém ficaria tão contente em passar tanto tempo em entulho histórico. Andei pelo meio do Hyde Park (a ideia mais estúpida que já tive, porque quase congelei).  Quando você se depara com o Big Ben num dia ensolarado em pleno inverno, nada mais importa. Você até acha animo pra acordar cedo num frio de congelar os ossos pra ir ate o distrito comercial e escutar os sinos da St Paul’s Cathedral tocar.

67430_2769480893111_92639026_n
St. Paul’s Cathedral

Londres te dá um sentimento de pertencimento tão grande que é difícil não se apaixonar. Covent Garden te abraça, os albergues são receptivos, a Leceister Square te deixa mais próxima do mundo toda quinta feira com suas premieres luxuosas.

Logico que existe a solidão, e em algum momento ela te afeta. Talvez isso aconteça em cima da London Eye (com o combo Museu Madame Tussaud, foi o maior desperdício de dinheiro que já tive). Mas passa, rapidinho. Assim que você vira amiga de um brasileiro que conhece no meio da rua e divide seus anseios.1722922_10200313716802471_1215553087859391071_nEu realizei meu sonho. Aos 17 anos, completo no meio de uma loja gigante de M&M’s, tomando sorvete enquanto faziam -3 graus la fora, eu sabia que eu fazia parte do grupo escasso de pessoas que realizou um sonho. E um sonho que, pra mim, parecia distante e impossível. Meninas como eu não conquistam isso.

2 anos depois eu estava nas mesmas ruas, e o coração bateu forte do mesmo jeito.

522656_2988657572391_407403159_n

A cidade supostamente cheia de pessoas frias (de frio mesmo, só o clima) conquistou o meu coração.

Débora Luna

20 anos, meio internacionalista meio amante do mundo. Obcecada por pandas. Tenho um milhão de textos inacabados, e acho mesmo que posso mudar o mundo. Vem comigo?

Viagem Textos

The Great unknown

O mundo ia ficando pequenininho lá embaixo. As pessoas não passavam de meros pontinhos insignificantes no meio da selva de concreto. Depois de algumas guinadas bruscas, o avião se estabiliza na imensidão azulada, que se estende por milhares de metros, onde os olhos já não conseguem ver e vai gradualmente mudando de cor, até chegar num rosa claro, passando pelo turquesa e diversos tons de azul. Fico observando a asa do avião. Olho as pessoas, distraídas com laptops, celulares, câmeras e livros. Um senhor aperta a borda da cadeira. Obviamente está com medo. O avião treme, mas não me assusta. Eu adoro a sensação de estar ali, longe de tudo, presa nas nuvens. De alguma maneira voando.

Primeiro era ao lado. Logo ali, depois daquela curva. Passou a ser na outra esquina. Na cidade vizinha. Em todo lugar, menos aqui. Em 195 países (ou 191, ou 205, depende de qual fonte e ponto de referência você usa), quantas esquinas existem? A lata voadora me leva pra uma dessas esquinas, mas ainda vai ser pouco, ainda não vai ser o suficiente. Porque assim que eu conhecer uma, terão outras milhares, milhões, bilhões, e eu nunca chegarei perto de conhecer todas elas. E eu não sei em qual dessa esquinas, em qual língua e religião vai estar o que eu procuro. Eu sequer sei o que é. Sequer tenho garantia de que isso, o que procuro, o desconhecido que vai me encher e me deixar completa está aqui, nesse planeta, nesse sistema, nessa galáxia. Mas a jornada, a procura, talvez seja o suficiente. Talvez, sentada em frente a Torre Eiffel ou em uma igrejinha no meio do nada, eu descubra que era aquilo. O Grande Desconhecido, A Felicidade, ou o que quer que seja. Talvez eu encontre. Talvez não. Mas aqui em cima, olhando tudo pequeno lá embaixo, eu já tenho mais do que tinha há algumas horas atrás. E por enquanto, é o suficiente.

Débora Luna

20 anos, meio internacionalista meio amante do mundo. Obcecada por pandas. Tenho um milhão de textos inacabados, e acho mesmo que posso mudar o mundo. Vem comigo?